Uns cinco anos antes de começarmos essa viagem eu sonhei que  estava deitada na ponta de uma rocha gigante,  cercada de uma imensa paisagem, eu sabia que aquele lugar era o “Grand Canyon”, mesmo sem nunca ter ido até lá. Nunca me esqueci daquele sonho porque junto comigo estava a pessoa mais importante da minha vida, minha mãe, que já havia falecido. Acordei com a sensação que realmente tínhamos estado juntas naquele lugar e chegar ali tinha um significado especial para mim. Quando debrucei frente à paisagem e vi a imensidão se materializar frente aos meus olhos, só confirmei, eu já havia estado ali.

DSC_042520120101_02595720120101_025943

Quando imaginamos paisagens grandiosas e impressionantes é impossível deixar de pensar em “Grand Canyon”, tanto pela beleza, como pelas suas proporções, são quase 450 quilômetros de extensão,  nas partes mais largas chega a  30 quilômetros de longitude  e quase dois quilômetros de altura nas partes mais profundas, recebe ao ano aproximadamente 5 milhões de visitantes, pode ser visitado o ano todo, mas é preciso levar em consideração o clima,    no verão as temperaturas são bem altas e no inverno pode nevar e ter algumas limitações.

DSC_017320120101_000618DCIM100GOPROGOPR0842.DCIM100GOPROG0020776.20120101_02452120120101_032056DSC_0418DSC_0152DSC_0125DSC_0149DSC_0151DSC_0141

DSC_0221

DSC_012320120101_02452120120101_02380420120101_022434

20120101_02405120120101_000104DSC_0156DSC_0302DSC_0362DSC_0382DCIM100GOPROGOPR0819.DCIM100GOPROGOPR0816.

O “Grand Canyon National Park” é um dos mais antigos parques nacionais americanos, suas entradas são “North Rim” e “South Rim”, a atração “Skywalk” que é a famosa  passarela de vidro fica em “West Rim”,  está dentro de uma reserva indígena e não faz parte do parque nacional, a entrada é cobrada à parte. Nós  não fomos conhecer porque estava bem fora do nosso trajeto.

A estrada que segue até “Desert View”, em South Rim,   é uma rota imperdível, os diversos miradores pelo caminho revelam surpreendentes vistas do canyon, são 42 quilômetros para chegar  até a “Torre de Vigilância” que tem a mais bonita vista  do ” Rio Colorado” e de lá se vê toda a zona desértica.

DSC_050620120101_044318DSC_050920120101_04492220120101_04502020120101_044853_HDR20120101_044950_HDRDSC_051420120101_04520520120101_04572720120101_04200820120101_04232520120101_04230120120101_045227

Compramos o “Annual Pass”, que é um passaporte no valor de 80 dólares, que dá direito a conhecer mais de 2.000 parques nacionais,   florestas, refúgios de vida selvagem, entre outras áreas federais,  no período de um ano.  Isso vale para um carro particular com no máximo quatro adultos, crianças abaixo de 16 anos não pagam. Para aposentados o preço é mais baixo, vale muitíssimo a pena porque normalmente a entrada de cada parque gira em torno de 20 ou 30 dólares. Essa é uma das maiores  diferenças dos Estados Unidos, o super incentivo ao turismo, em relação a todos os outros países que passamos,  onde as  atrações para estrangeiros sempre tem  preço diferente,  maior é claro,  o turista é sempre explorado, normalmente somente  significa um  cifrão. O  “Annual Pass” pode ser comprado no primeiro parque nacional que você encontrar e centros de visitantes.

Várias opções de hospedagens e restaurantes estão dentro e fora do parque, se estiver de carro é essencial que abasteça antes de entrar. A pequena cidade que esta do lado de fora,  tem opções bem mais baratas de hospedagem e comida. Pode levar lanches, frutas, fogão , geladeira de isopor,  os  americanos adoram um picnic e os turistas aprendem rapidinho, difícil é ver os indianos ( que vivem aos montes nos Estados Unidos) comendo seus verdadeiros banquetes e o cheirinho da comida??? Dá vontade de ir perguntar o que eles estão comendo… Tem água potável e filtrada em todos os lugares  e o “Centro de Visitantes” é  interessantíssimo com muita informação, vídeos informativos  e internet.  Antes de  tomarmos nosso rumo ,  esperamos os amigos  italianos para nos despedirmos, mas  um novo encontro marcado, desta vez um pouco mais para a frente.

DCIM100GOPROGOPR0727.

Na panela é mais gostoso…Bernardo e Bianca!

DSC_0223DSC_0404

Caímos na estrada novamente e não era qualquer estrada não, sabe aqueles lugares impossíveis de registrar em fotos? Paramos ao entardecer na “Navajo Bridge” o lugar onde escolhemos para passar a noite, no nosso quintal  tínhamos  uma incrível vista do “Rio Colorado”. Na manhã do dia seguinte vimos imensos condores californianos voando,    esperamos que  voassem de novo, mas eles estavam com preguiça e se refugiaram na estrutura da ponte.   Pertinho dali  fomos à  “Lees Ferry”, no  “Marble Canyon”,  a “prainha ” do Rio Colorado,  a cor  da água  era impressionante, deu vontade de dar um mergulho, mas a água era congelante.

DSC_0682

20120101_22081820120101_22352020120101_21502820120101_220808DSC_0703DSC_0707DSC_0872DSC_0692DSC_069620120101_223530DSC_0714DSC_070520120101_223847DCIM100GOPROGOPR0920.
20120102_005458 20120102_005940 20120102_010049_HDR 20120102_010229_HDR DSC_0743 DSC_0745 DSC_0749 DSC_0752 DSC_0763 DSC_0766 DSC_0838 DCIM100GOPROGOPR0937.
Entre estas duas paisagens estão os “Vermillion Cliffs” não conseguimos chegar na parte mais bonita deles, para chegar  tem que se inscrever numa espécie de loteria  e não rolou, mas  conseguimos ver muitas formações e montanhas interessantes, a estrada por si só já vale a pena. O clima estava perfeito, dizem que no verão faz um calor insuportável  nessa região.

DSC_0807DSC_0808DCIM100GOPROGOPR0949.DSC_0823DSC_0824DSC_0776DSC_0780DSC_0784DSC_0786DSC_0815DCIM100GOPROGOPR0953.DCIM100GOPROGOPR0958.DCIM100GOPROGOPR0952.IMG_20160418_153028_1

DSC_0622 DSC_0729 DSC_0737 DSC_0789 DSC_0796 DSC_0812 DSC_0827 DSC_0831 DSC_0851 DSC_0855 DSC_0856 DSC_0857 DSC_0888 DSC_0893 DSC_0905 DSC_0915
Quando achávamos que o dia já estava ganho, que já havíamos visto muita coisa bonita, pegamos a Highway 89, a estrada sentido à cidade de  Page, onde íamos dormir naquela noite,  vimos a  indicação:  “Horseshoe Bend”.  Já sabíamos do que se tratava, então entramos. Havia um estacionamento lotado de carros, nenhum lugar para pagar entrada, somente uma placa informando o sentido e o tempo de caminhada.

No final da trilha de um quilômetro nos deparamos com a imensa curva do Rio Colorado em forma de ferradura, passamos umas duas horas hipnotizados, impactados pela beleza do lugar,  tirando dezenas de fotos, vendo as cores se transformando conforme a luz,  sinceramente um dos lugares mais lindos que já vimos.  A parte divertida deste lugar foi ver as pessoas fazendo  malabarismos para a melhor foto. Alguns com medo de altura, mas que  a vontade de ver era maior,  se arrastavam até a beirada, havia um  marido segurando a mulher pelos pés,  pior eram  aqueles que não tinham medo nenhum,  queriam se pendurar no matinho da ponta do precipício, tudo pela selfie! Perdiam óculos e  bonés… Ali notamos a quantidade de asiáticos que visitam os Estados Unidos, em todos os lugares que havíamos visitado  havia pelo menos um ônibus lotado.  Eles são figuraças, com suas roupas coloridas e exóticas, seus eletrônicos de  altíssima tecnologia, vimos uma mulher com uma viseira com placa solar que carregava  bateria! Essa nunca perdeu um click. Demais!

DSC_093620120101_00010320120101_00004920120101_00011820120101_00050820120101_00161520120101_00180720120101_000338DSC_0945DSC_0983DSC_095720120101_022352DSC_0979DCIM100GOPROGOPR1025.DCIM100GOPROGOPR1024.DSC_095020120101_032207DCIM100GOPROGOPR1408.DCIM100GOPROG0171573.DSC_0999DCIM100GOPROGOPR1577.DCIM100GOPROGOPR1576.
Nossa aventura do dia acabou no “Walmart” em Page, o “condomínio” de muitos viajantes, casas, casinhas e mansões,  todos adoram a rede de  supermercados. Para finalizar, estávamos jantando dentro do carro, quando escutamos uma voz do lado de fora : São brasileiros! Quando abrimos a porta nos deparamos com um simpático casal de  São Paulo (descentes de asiáticos) que haviam alugado um dos milhares Motorhomes que rodam pelos Estados Unidos. Conversamos um bom tempo, demos muitas risadas, nos contaram as aventuras dos 20 dias de viagem  e se encantaram com nosso estilo de vida, ele falava para ela:  Viu, e eles nem são aposentados… Viu, nós podemos… Viu… Pena que não conseguimos encontrar eles nos dia seguinte, quando  acordamos eles já haviam ido embora. Para quem se animar,  vou  colocar o link da empresa do  motorhome que os amiguinhos japinhas e aposentados alugaram ( infelizmente não lembramos os nomes deles).  http://www.cruiseamerica.com/

c19-1

Casa Rodante

IMG_20160419_113530

Mansão Rodante

IMG_20160419_113549

Quitinete Rodante

Significado Quitinete: Substantivo feminino. Apartamento pequeno com um só banheiro , sala e quarto conjugados  e cozinha aberta para este ambiente. Apartamento pequeno de uma só peça.

Quase isso…